Por que meu cabelo não para de quebrar?

Óleo de coco

Seguindo a linha “é melhor prevenir do que remediar”, é melhor saber a causa da quebra dos seus cabelos do que tentar remediar depois. Se você não tem problemas hormonais ou nutricionais e seu cabelo segue a quebrar, preste atenção: só pode ser algo que você está fazendo.

A maior causa de quebra de cabelo entre as cacheadas é o que fazemos com ele: descolorir, colorir, chapinhas constantes, permanentes, relaxamentos e alisamentos enfraquecem a cutícula e quebram a resistência do cabelo, além disso, deixam o cabelo opaco e sem vida, diminuindo também a oleosidade natural do cabelo que deixa nosso cabelo com aquele aspecto saudável.

Danos por calor

Danos por coloração

Muitas tranças, rabos de cavalo, escovação agressiva e apliques também vão colaborar com que seu cabelo se quebre. Tanto pela fricção, como pela força que os estica.

O que fazer?

Se você for fazer um penteado preso, respeite os limites do seu cabelo, pense que está penteando o cabelo de uma criança bem pequena, não aperte, deixe firme sem apertar, use um leave-in para te ajudar, caso seja necessário.

Penteie seu cabelo gentilmente. Nossos cachos embaraçam, este é um fato que vai nos seguir para toda a vida. Você pode respeitar isto, ou se irritar com isso, estragando seu cabelo no processo.

Não fazemos apologia a cabelo natural ou relaxado, nossa apologia é a liberdade e que cada mulher deve chegar sozinha a conclusão da forma como ela se acha mais bonita. Porém, não podemos fechar os olhos para os danos da química. Se possível, diminua a frequência da química do seu cabelo, ou não combine duas químicas diferentes. Se não for possível parar ou se você não quiser parar com a química (e é seu direito não querer), depois dela, lembre-se que seu cabelo foi fragilizado e recompense-o. Abuse das máscaras nutritivas, hidratantes e reconstrutoras. Não utilize produtos com petrolatos, pois eles vão impedir a absorção de nutrientes. E lave o cabelo com shampoos sem sulfato para que o máximo da sua oleosidade natural permaneça.

Compartilhe nas redes sociais